Questões do ENEM de Filosofia com gabarito

quarta-feira, 2 de novembro de 2016









ENEM – Questões de filosofia

1- Questão 05 – ENEM2015
Ninguém nasce mulher: torna-se mulher. Nenhum destino biológico, psíquico, econômico define a forma que a fêmea humana assume no seio da sociedade; é o conjunto da civilização que elabora esse produto intermediário entre o macho e o castrado que qualificam o feminino.
Beaouvoir, S. O segundo sexo. Riode Janeiro: Nova Fronteira, 1980.
Na década de 1960, a proposição de Simone de Beaouvoir contribuiu para estruturar um movimento social que teve como marca o(a):
a) ação do Poder Judiciário para criminalizar a violência sexual.
b) pressão do Poder Legislativo para impedir a dupla jornada de trabalho.
c) organização de protestos públicos para garantir a igualdade de gênero.
d) oposição de grupos religiosos para impedir os casamentos homoafetivos.
e) estabelecimento de políticas governamentais para promover ações afirmativas.
Na área da disciplina filosofia, esta questão envolve os seguintes eixos temáticos, dentre outros:
Existencialismo;
Filosofia política;
Ética e moral;
Natureza e cultura;
Relações de gênero.
A resposta correta é a letra C. Simone de Beouvoir foi ativista feminina e escritora. Preocupou-se sobretudo em desnaturalizar o conceito de "feminino", mostrando tratar-se de uma construção social num contexto de dominação do gênero masculino. E por isso, suas ideias influenciaram as lutas feministas que exigia e exige direitos iguais entre homens e mulheres.
2- Questão 11 – ENEM2015
A filosofia grega parece começar com uma ideia absurda, com a proposição: a água é a origem e a matriz de todas as coisas. Será mesmo necessário deter-nos e levá-la a sério? Sim, e por três razões: em primeiro lugar, porque essa proposição anuncia algo sobre a origem das coisas; em segundo lugar, porque o faz sem imagem e fabulação; e enfim, em terceiro lugar, porque nela, embora apenas em estado de crisálida, está contido o pensamento: Tudo é um.
 NIETZSCHE, F. Crítica moderna. In: Os pré-socráticos. São Paulo: Nova Cultural, 1999.
O que, de acordo com Nietzsche, caracteriza o surgimento da filosofia entre os gregos?
a) O impulso para transformar, mediante justificativas, os elementos sensíveis em verdades racionais.
b) O desejo de explicar, usando metáforas, a origem dos seres e das coisas.
c) A necessidade de buscar, de forma racional, a causa primeira das coisas existentes.
d) A ambição de expor, de maneira metódica, as diferenças entre as coisas.
e) A tentativa de justificar, a partir de elementos empíricos, o que existe no real.
A questão trabalho os seguintes temas relacionados à filosfia, dentre outros:
História da filosofia pré-socrática;
Origem da filosofia;
Filosofia X mito.
A alternativa correta é a letra C. Nietzsche refere-se a um grupo de filósofos pré-socráticos chamados de filósofos da natureza, naturalistas, ou filósofos da phýsis. Esses buscavam a realidade primeira fundamental numa perspectiva cosmológica. Nietzsche valoriza os pré-socráticos por investigarem o real de forma racional, sem "imagem e fabulação" próprias da mitologia.
3- Questão 20 – ENEM2015
A natureza fez os homens tão iguais, quanto às faculdades do corpo e do espírito, que, embora por vezes se encontre um homem manifestadamente mais forte de corpo, ou de espírito mais vivo do que outro, mesmo assim, quando se considera tudo isto em conjunto, a diferença entre um e outro homem não é suficientemente considerável para que um deles possa com base nela reclamar algum benefício a que outro não possa igualmente aspirar.
HOBBES. T. Leviatã. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
Para Hobbes, antes da constituição da sociedade civil, quando dois homens desejavam o mesmo objeto, eles
a) entravam em conflito.
b) recorriam aos clérigos.
c) consultavam os anciãos.
d) apelavam aos governantes.
e) exerciam a solidariedade.
Esta questão trabalha o tema Filosofia política.
A alternativa correta é a letra A. Em sua filosofia, Thomas Hobbes sustentou uma concepção pessimista de ser humano. Em estado de natureza, o homem se revela uma índole egoísta, inclinado ao conflito. O filósofo afirma que antes da constituição da sociedade civil dominava o estado de guerra de todos contra todos.
4- Questão 23 - ENEM2015
O que implica o sistema da pólis é uma extraordinária preeminência da palavra sobre todos os outros instrumentos do poder. A palavra constitui o debate contraditório, a discussão, a argumentação e a polêmica. Torna-se a regra do jogo intelectual, assim como do jogo político.
VERNANT, J.P. As origens do pensamento grego. Rio de Janeiro: Bertrand, 1992 (adaptado).
Na configuração política da democracia grega, em especial a ateniense, a ágora tinha por função
a) agregar os cidadãos em torno de reis que governavam em prol da cidade.
b) permitir aos homens livres o acesso às decisões do Estado expostas por seus magistrados.
c) constituir o lugar onde o corpo de cidadãos se reunia para deliberar sobre as questões da comunidade.
d) reunir os exércitos para decidir em assembleias fechadas os rumos a serem tomados em caso de guerra.
e) congregar a comunidade para eleger representantes com direito a pronunciar-se em assembleias.
Esta questão envolve conhecimentos de filosofia grega, política, democracia ateniense, constituição da pólis, etc.
A resposta correta é a alternativa C. Para os gregos, a ágora era a praça central da pólis, na qual se reuniam os cidadãos. Atenas passava por um período democrático e na Eclésia (assembleia dos cidadãos) os cidadãos se reuniam para decidir sobre os assuntos de interesse público, que configurava a prática de uma democracia direta.
5- Questão 29 - ENEM2015
Ora, em todas as coisas ordenadas a algum fim, é preciso haver algum dirigente, pelo qual se atinja diretamente o devido fim. Com efeito, um navio, que se move para diversos lados pelo impulso dos ventos contrários, não chegaria ao fim do destino, se por indústria do piloto não fosse dirigido ao porto; ora, tem o homem um fim, para o qual se ordenam toda a sua vida e ação. Acontece, porém, agirem os homens de modos diversos em vista do fim, o que a própria diversidade dos esforços e ações humanas comprova. Portanto, precisa o homem de um dirigente para o fim.
AQUINO. T. Do reino ou do governo dos homens: ao rei do Chipre. Escritos políticos de Santo Tomás de Aquino. Petrópolis: Vozes, 1995 (adaptado).
No trecho citado, Tomás de Aquino justifica a monarquia como o regime de governo capaz de
a) refrear os movimentos religiosos contestatórios.
b) promover a atuação da sociedade civil na vida política.
c) unir a sociedade tendo em vista a realização do bem comum.
d) reformar a religião por meio do retorno à tradição helenística.
e) dissociar a relação política entre os poderes temporal e espiritual.
Esta questão aborda a filosofia medieval, especialmente das ideias da escolástica.
A alternativa correta é a letra C. Tomás de Aquino é um teólogo-filósofo da Idade Média. Seu objetivo é justificar a autoridade dos reis, pois esta era a forma de governo predominante na Europa medieval, sendo - ao menos em tese -, direcionada a realização do bem comum.
6- Questão 34 - ENEM2015
Trasímaco estava impaciente porque Sócrates e os seus amigos presumiam que a justiça era algo real e importante. Trasímaco negava isso. Em seu entender, as pessoas acreditavam no certo e no errado apenas por terem sido ensinadas a obedecer às regras da sua sociedade. No entanto, essas regras não passavam de invenções humanas.
RACHELS, J. Problemas da filosofia. Lisboa: Gradva, 2009.
O sofista Trasímaco, personagem imortalizado no diálogo A República, de Platão, sustentava que a correlação entre justiça e ética é resultado de
a) determinações biológicas impregnadas na natureza humana.
b) verdades objetivas com fundamento anterior aos interesses sociais.
c) mandamentos divinos inquestionáveis legados das tradições antigas.
d) convenções sociais resultantes de interesses humanos contingentes.
e) sentimentos experimentados diante de determinadas atitudes humanas.
A questão trabalha assuntos relacionados à política grega, às ideias dos sofistas, à ética, etc.
A alternativa correta é a letra D. O sofista Trasímaco entendia que a justiça não era mais do que a conveniência do mais forte, ou seja, de acordo com os seus interesses. De fato, Sócrates fazia oposição aos sofistas justamente por causa desse relativismo.
7- Questão 37 - ENEM2015
Todo o poder criativo da mente se reduz a nada mais do que a faculdade de compor, transpor, aumentar ou diminuir os materiais que nos fornecem os sentidos e a experiência. Quando pensamos em uma montanha de ouro, não fazemos mais do que juntar duas ideias consistentes, ouro e a montanha, que já conhecíamos. Podemos conceber um cavalo virtuoso, porque somos capazes de conceber a virtude a partir de nossos próprios sentimentos, e podemos unir a isso a figura e a forma de um cavalo, animal que nos é familiar.
HUME. D. Investigação sobre o entendimento humano. São Paulo: Abril Cultural, 1995.
Hume estabelece um vínculo entre pensamento e impressão ao considerar que
a) os conteúdos das ideias no intelecto tem origem na sensação.
b) o espírito é capaz de classificar os dados da percepção sensível.
c) as ideias fracas resultam de experiências sensoriais determinadas pelo acaso.
d) os sentimentos ordenam como os pensamentos devem ser processados na memória.
e) as ideias têm como fonte específica o sentimento cujos dados são colhidos empíricamente.
A questão envolve filosofia moderna, o Empirismo, teoria do conhecimento, etc.
A resposta correta é a alternativa E. Para Hume, as ideias e impressões são nossos conteúdos mentais. As impressões resultam diretamente da experiência imediata; e as ideias são as cópias fracas e desbotadas das impressões. Para o filósofo o acaso, não passando de um efeito aparente de uma causa desconhecida e oculta.
8- Questão 40 - ENEM2015
Apesar de seu disfarce de iniciativa e otimismo, o homem moderno está esmagado por um profundo sentimento de impotência que o faz olhar fixamente e, como que paralisado, para as catástrofes que se avizinham. Por isso, desde já, salienta-se a necessidade de uma permanente atitude crítica, o único modo pelo qual o homem realizará sua vocação natural de integrar-se, superando a atitude do simples ajustamento ou acomodação, aprendendo temas e tarefas de sua época.
FREIRE. P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.
Paulo Freire defende que a superação das dificuldades e a apreensão da realidade atual será obtida pelo(a)
a) desenvolvimento do pensamento autônomo.
b) obtenção de qualificação profissional.
c) resgate de valores tradicionais.
d) realização de desejos pessoais.
e) aumento da renda familiar.
Temas relacionados à filosofia contemporânea são trabalhados nesta questão. Dentre eles, a crise da razão, a subjetividade e os desafios da atualidade.
A alternativa correta é a letra A. O enunciado da questão nos remete à necessidade de um pensamento autônomo capaz de permitir que o ser humano possa, por autocrítica, superar os problemas existentes em sua época e alcançar de fato a liberdade.
Questões do ENEM de Filosofia dos anos anteriores.

Questão 01
A ética precisa ser compreendida como um empreendimento coletivo a ser constantemente retomado e rediscutido, porque é produto da relação interpessoal e social. A ética supõe ainda que cada grupo social se organize sentindo-se responsável por todos e que crie condições para o exercício de um pensar e agir autônomos. A relação entre ética e política é também uma questão de educação e luta pela soberania dos povos. É necessária uma ética renovada, que se construa a partir da natureza dos valores sociais para organizar também uma nova prática política.
CORDI et al. Para filosofar. São Paulo: Scipione, 2007 (adaptado).
O Século XX teve de repensar a ética para enfrentar novos problemas oriundos de diferentes crises sociais, conflitos ideológicos e contradições da realidade. Sob esse enfoque e a partir do texto, a ética pode ser compreendida como

A)                 instrumento de garantia da cidadania, porque através dela os cidadãos passam a pensar e agir de acordo com valores coletivos. X
B)                 mecanismo de criação de direitos humanos, porque é da natureza do homem ser ético e virtuoso.
C)                  meio para resolver os conflitos sociais no cenário da globalização, pois a partir do entendimento do que é efetivamente a ética, a política internacional se realiza.
D)                  parâmetro para assegurar o exercício político primando pelos interesses e ação privada dos cidadãos.
E)                  aceitação de valores universais implícitos numa sociedade que busca dimensionar sua vinculação à outras sociedades.
resolução
De acordo com o texto de Cordi, a ética é produzida através das relações interpessoais tendo como objetivo estabelecer o respeito entre indivíduos.  Para enfrentar problemas inerentes à sociedade e evitar conflitos, os indivíduos necessitam agir de acordo com os interesses da comunidade em que vive.
Questão 02
Na ética contemporânea, o sujeito não é mais um sujeito substancial, soberano e absolutamente livre, nem um sujeito empírico puramente natural. Ele é simultaneamente os dois, na medida em que é um sujeito histórico-social. Assim, a ética adquire um dimensionamento político, uma vez que a ação do sujeito não pode mais ser vista e avaliada fora da relação social coletiva. Desse modo, a ética se entrelaça, necessariamente, com a política, entendida esta como a área de avaliação dos valores que atravessam as relações sociais e que interliga os indivíduos entre si.
SEVERINO. A. J. Filosofia. São Paulo: Cortez, 1992 (adaptado).
O texto, ao evocar a dimensão histórica do processo de formação da ética na sociedade contemporânea, ressalta
A)           os conteúdos éticos decorrentes das ideologias político-partidárias.
B)           o valor da ação humana derivada de preceitos metafísicos.
C)           a sistematização de valores desassociados da cultura.
D)           o sentido coletivo e político das ações humanas individuais. X
E)           o julgamento da ação ética pelos políticos eleitos democraticamente.
resolução
O texto de J. Severino demonstra que o homem contemporâneo não pode ser entendido de forma que não o considere como um sujeito histórico-social, ou seja, dissociado de seu tempo e da sociedade em que vive. Dessa maneira, a firmação da ética contemporânea só pode ser compreendida relacionando o indivíduo à sociedade em que vive, em outras palavras, no sentido coletivo.

Questão 3 - ENEM 2011
“A ética exige um governo que defenda a igualdade entre os cidadãos, a qual constitui a base da pátria. Sem ela, muitos indivíduos não se sentem em casa, mas vivem como estrangeiros em seu próprio lugar de nascimento.” (SILVA, R. R. Ética, defesa nacional, cooperação dos povos)
Os pressupostos éticos são essenciais para a estruturação política e a integração de indivíduos em uma sociedade. Segundo o texto, a ética corresponde a
A)           valores e costumes partilhados pela maioria da sociedade. X
B)           preceitos normativos impostos pela coação das leis.
C)           normas próprias determinadas pelo governo de um país.
D)           transferência dos valores familiares para a esfera social.
E)           proibição da interferência de estrangeiros na pátria de cada um.
QUESTÃO 4
Dali avistamos homens que andavam pela praia, obra de sete ou oito. Eram pardos, todos nus. Nas mãos traziam arcos com suas setas. Não fazem o menor caso de encobrir ou de mostrar suas vergonhas; e nisso têm tanta inocência como em mostrar o rosto. Ambos traziam os beiços de baixo furados e metidos neles seus ossos brancos e verdadeiros. Os cabelos seus são corredios. (CAMINHA, P. V. Carta. RIBEIRO, D. et al. Viagem pela históriado Brasil: documentos).
O texto é parte da famosa Carta de Pero Vaz de Caminha, documento fundamental para a formação da identidade brasileira. Tratando da relação que, desde esse primeiro contato, se estabeleceu entre portugueses e indígenas, esse trecho da carta revela a
A)           preocupação em garantir a integridade do colonizador diante da resistência dos índios à ocupação da terra.
B)           postura etnocêntrica do europeu diante das características físicas e práticas culturais do indígena. X
C)           orientação da política da Coroa Portuguesa quanto à utilização dos nativos como mão de obra para colonizar a nova terra.
D)           oposição de interesses entre portugueses e índios, que dificultava o trabalho catequético e exigia amplos recursos para a defesa recursos para a defesa da posse da nova terra.
E)           abundância da terra descoberta, o que possibilitou a sua incorporação aos interesses mercantis portugueses, por meio da exploração econômica dos índios.
QUESTÃO 5
Os cruzados avançavam em silencio, encontrando por todas as partes ossadas humanas, trapos e bandeiras. No meio desse quadro sinistro, não puderam ver, sem estremecer de dor, o acampamento onde Gauthier havia deixado as mulheres e crianças. La, os cristãos tinham sido surpreendidos pelos muçulmanos, mesmo no momento em que os sacerdotes celebravam o sacrifício da Missa. As mulheres, as crianças, os velhos, todos os que a fraqueza ou a doença conservava sob as tendas, perseguidos até os altares, tinham sido levados para a escravidão ou imolados por um inimigo cruel. A multidão dos cristãos, massacrada naquele lugar, tinha ficado sem sepultura. (J. F. Michaud. História das cruzadas)
Foi, de fato, na sexta-feira 22 do tempo de Chaaban, do ano de 492 da Hegira, que os franj* se apossaram da Cidade Santa, após um sitio de 40 dias. Os exilados ainda tremem cada vez que falam nisso, seu olhar se esfria como se eles ainda tivessem diante dos olhos aqueles guerreiros louros, protegidos de armaduras, que espelham pelas ruas o sabre cortante, desembainhado, degolando homens, mulheres e crianças, pilhando as casas, saqueando as mesquitas.
*franj = cruzados.
(Amin Maalouf. As Cruzadas vistas pelos árabes)
Avalie as seguintes afirmações a respeito dos textos acima, que tratam das Cruzadas.
I Os textos referem-se ao mesmo assunto — as Cruzadas, ocorridas no período medieval —, mas apresentam visões distintas sobre a realidade dos conflitos religiosos desse período histórico.
II Ambos os textos narram partes de conflitos ocorridos entre cristãos e muçulmanos durante a Idade Média e revelam como a violência contra mulheres e crianças era pratica comum entre adversários.
III Ambos narram conflitos ocorridos durante as Cruzadas medievais e revelam como as disputas dessa época, apesar de ter havido alguns confrontos militares, foram resolvidas com base na ideia do respeito e da tolerância cultural e religiosa.
E correto apenas o que se afirma em
A)           I.
B)           II.
C)           III.
D)           I e II. X
E)           II e III.
QUESTÃO 6
No início do século XIX, o naturalista alemão Carl Von Martius esteve no Brasil em missão cientifica para fazer observações sobre a flora e a fauna nativas e sobre a sociedade indígena. Referindo-se ao indígena, ele afirmou:
“Permanecendo em grau inferior da humanidade, moralmente, ainda na infância, a civilização não o altera, nenhum exemplo o excita e nada o impulsiona para um nobre desenvolvimento progressivo (…). Esse estranho e inexplicável estado do indígena americano, até o presente, tem feito fracassarem todas as tentativas para conciliá-lo inteiramente com a Europa vencedora e torná-lo um cidadão satisfeito e feliz.” (Carl Von Martius. O estado do direito entre os autóctones do Brasil)
Com base nessa descrição, conclui-se que o naturalista Von Martius
A)           apoiava a independência do Novo Mundo, acreditando que os índios, diferentemente do que fazia a missão européia, respeitavam a flora e a fauna do pais.
B)           discriminava preconceituosamente as populações originarias da América e advogava o extermínio dos índios.
C)           defendia uma posição progressista para o século XIX: a de tornar o indígena cidadão satisfeito e feliz.
D)           procurava impedir o processo de aculturação, ao descrever cientificamente a cultura das populações originarias da América.
E)           desvalorizava os patrimônios étnicos e culturais das sociedades indígenas e reforçava a missão “civilizadora europeia”, típica do século XIX. X
QUESTÃO 7
Um cidadão é um indivíduo que pode participar no judiciário e na autoridade, isto é, nos cargos públicos e na administração política e legal. (ARISTÓTELES. Política)
O termo “cidadania” é polissêmico. Pode-se depreender que, no texto de Aristóteles, a palavra “cidadão” significa “o indivíduo que…”
A)           contribui para melhorar as condições sociais dos mais desfavorecidos.
B)           não se omite nas escolhas importantes da comunidade.
C)           age em prol de um futuro melhor para toda a humanidade.
D)           pode legalmente influenciar o futuro da comunidade. X
E)           é reconhecido como exemplo para toda a sociedade.
QUESTÃO 8
A constituição dos dias atuais é a que se segue. Os homens que são filhos de pai e mãe cidadãos têm direito à cidadania completa e são inscritos na lista de seus concidadãos nos demos quando completam dezoito anos de idade. Depois de registrados, os membros do demo votam, sob juramento, primeiro: quais deles consideram ter, de fato, atingido a idade legal e os que não a atingiram retornam ao status de criança; segundo: quais os homens que são livres e nascidos como a lei prescreve. Se decidem que um homem não é livre, ele pode apelar para o tribunal, enquanto os concidadãos do demo elegem cinco de seu grupo como acusadores; se for decidido que o julgado não tem direito de ser registrado como cidadão, a cidade o vende como escravo, mas se ele vencer a causa os representantes do demo são obrigados a registrá-lo. (ARISTÓTELES. A Constituição de Atenas)
O texto de Aristóteles representa a definição do cidadão em Atenas no século IV a.C. Uma diferença entre o conceito antigo e o moderno de cidadania refere-se a:
A)           a profissão dos indivíduos.
B)           a ideologia dos indivíduos.
C)           as posses dos indivíduos.
D)           o gênero dos indivíduos. X
E)           a raça dos indivíduos. 
QUESTÃO 9
Um aspecto importante derivado da natureza histórica da cidadania é que esta se desenvolveu dentro do fenômeno, também histórico, a que se denomina Estado-nação. Nessa perspectiva, a construção da cidadania na modernidade tem a ver com a relação das pessoas com o Estado e com a nação. (CARVALHO, J. M. Cidadania no Brasil: o longo caminho)
Considerando-se a reflexão acima, um exemplo relacionado a essa perspectiva de construção da cidadania é encontrado
A)           em D. Pedro I, que concedeu amplos direitos sociais aos trabalhadores, posteriormente ampliados por Getúlio Vargas com a criação da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). X
B)           na independência, que abriu caminho para a democracia e a liberdade, ampliando o direito político de votar aos cidadãos brasileiros, inclusive às mulheres.
C)           no fato de os direitos civis terem sido prejudicados pela Constituição de 1988, que desprezou os grandes avanços que, nessa área, havia estabelecido a Constituição anterior.
D)           no Código de Defesa do Consumidor, ao pretender reforçar uma tendência que se anunciava na área dos direitos civis desde a primeira constituição republicana.
E)           na Constituição de 1988, que, pela primeira vez na história do país, definiu o racismo como crime inafiançável e imprescritível, alargando o alcance dos direitos civis.
QUESTÃO 10
A política implica o envolvimento da comunidade cívica na definição do interesse público. Vale dizer, portanto, que o cenário original da política, no lugar de uma relação vertical e intransponível entre soberanos e súditos na qual a força e a capacidade de impor o medo exercem papel fundamental, sustenta-se em um experimento horizontal. Igualdade política, acesso pleno ao uso da palavra e ausência de medo constituem as suas cláusulas pétreas. (LESSA, R. Sobre a invenção da política)
A organização da sociedade no espaço é um processo histórico-geográfico, articulado ao desenvolvimento das técnicas, à utilização dos recursos naturais e à produção de objetos industrializamos. Política é, portanto, uma organização dinâmica e complexa, possível apenas pela existência de determinados conjuntos de leis e regras, que regulam a vida em sociedade. Nesse contexto, a participação coletiva é
A)           necessária para que prevaleça a autonomia social. X
B)           imprescindível para uma sociedade livre de conflitos.
C)           decisiva para tornar a cidade atraente para os investimentos.
D)           indispensável para a construção de uma imagem de cidade ideal.
E)           indissociável dos avanços técnicos que proporcionam aumento na oferta de empregos.
QUESTÃO 11
Segundo Aristóteles, “na cidade com o melhor conjunto de normas e naquela dotada de homens absolutamente justos, os cidadãos não devem viver uma vida de trabalho trivial ou de negócios — esses tipos de vida são desprezíveis e incompatíveis com as qualidades morais —, tampouco devem ser agricultores os aspirantes à cidadania, pois o lazer é indispensável ao desenvolvimento das qualidades morais e à prática das atividades políticas”. (VAN ACKER, T. Grécia. A vida cotidiana na cidade-Estado)
O trecho, retirado da obra Política, de Aristóteles, permite compreender que a cidadania
A)           possui uma dimensão histórica que deve ser criticada, pois é condenável que os políticos de qualquer época fiquem entregues à ociosidade, enquanto o resto dos cidadãos tem de trabalhar.
B)           era entendida como uma dignidade própria dos grupos sociais superiores, fruto de uma concepção política profundamente hierarquizada da sociedade. X
C)           estava vinculada, na Grécia Antiga, a uma percepção política democrática, que levava todos os habitantes da pólis a participarem da vida cívica.
D)           tinha profundas conexões com a justiça, razão pela qual o tempo livre dos cidadãos deveria ser dedicado às atividades vinculadas aos tribunais.
E)           vivida pelos atenienses era, de fato, restrita àqueles que se dedicavam à política e que tinham tempo para resolver os problemas da cidade.
QUESTÃO 12
A definição de eleitor foi tema de artigos nas Constituições brasileiras de 1891 e de 1934. Diz a Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 1891:
Art. 70. São eleitores os cidadãos maiores de 21 anos que se alistarem na forma da lei.
A Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 1934, por sua vez, estabelece que:
Art. 180. São eleitores os brasileiros de um e de outro sexo, maiores de 18 anos, que se alistarem na forma da lei.
Ao se comparar os dois artigos, no que diz respeito ao gênero dos eleitores, depreende-se que
A a Constituição de 1934 avançou ao reduzir a idade mínima para votar.
B a Constituição de 1891, ao se referir a cidadãos, referia-se também às mulheres.
C os textos de ambas as Cartas permitiam que qualquer cidadão fosse eleitor.
D o texto da carta de 1891 já permitia o voto feminino.
E a Constituição de 1891 considerava eleitores apenas indivíduos do sexo masculino.
QUESTÃO 13
O fenômeno da escravidão, ou seja, da imposição do trabalho compulsório a um indivíduo ou a uma coletividade, por parte de outro indivíduo ou coletividade, é algo muito antigo e, nesses termos, acompanhou a história da Antiguidade até o séc. XIX. Todavia, percebe-se que tanto o status quanto o tratamento dos escravos variou muito da Antiguidade greco-romana até o século XIX em questões ligadas à divisão do trabalho.
As variações mencionadas dizem respeito
A ao caráter étnico da escravidão antiga, pois certas etnias eram escravizadas em virtude de preconceitos sociais.
B à especialização do trabalho escravo na Antiguidade, pois certos ofícios de prestígio eram frequentemente realizados por escravos.
C ao uso dos escravos para a atividade agroexportadora, tanto na Antiguidade quanto no mundo moderno, pois o caráter étnico determinou a diversidade de tratamento.
D à absoluta desqualificação dos escravos para trabalhos mais sofisticados e à violência em seu tratamento, independentemente das questões étnicas.
E ao aspecto étnico presente em todas as formas de escravidão, pois o escravo era, na Antiguidade greco-romana, como no mundo moderno, considerado uma raça inferior.
QUESTÃO 14
O morador de rua Manoel Menezes da Silva, 68, teve garantido pela Justiça seu direito de transitar livremente pelas ruas de São Paulo e permanecer onde desejar.
O idoso, que costumava dormir em uma praça da Vila Nova Conceição, área nobre da capital paulista, e acabou no Hospital Psiquiátrico Pinel em meio à pressão de alguns vizinhos contra seu mau cheiro, pode agora “ir, vir e ficar sem qualquer restrição ou impedimento por quem quer que seja”, conforme decisão da juíza Luciane Jabur Figueiredo, do Dipo (Departamento de Inquéritos Policiais e Polícia Judiciária). (IZIDORO, Alencar. Estranho no Paraíso. Folha de S. Paulo, 19/07/05)
Segundo a concepção jusnaturalista, a decisão da juíza Luciane Jabour Figueiredo a respeito do morador de rua Manoel Menezes da Silva foi:
A derivada de uma disputa entre classes sociais com o desfecho positivo para a classe oprimida.
B errada, pois os moradores da Vila Nova Conceição têm o direito de manter a segurança de sua propriedade privada.
C errada, pois tanto os moradores da Vila Nova Conceição quanto os moradores de rua têm o direito de definir livremente quem pode permanecer naquela localidade.
D acertada, pois tanto os moradores da Vila Nova Conceição quanto os moradores de rua têm o direito de definir livremente quem pode permanecer naquela localidade.
E acertada, pois o direito de ir e vir é dado pela própria natureza.
QUESTÃO 15
Assim, essa lei da razão torna o cervo propriedade do índio que o abateu; permite-se que os bens pertençam àqueles que lhes dedicou seu trabalho, mesmo que antes fossem direito comum de todos. E entre aqueles que se consideram a parte civilizada da humanidade, que fizeram e multiplicaram leis positivas para determinar a propriedade, essa lei original da natureza que determina o início da propriedade sobre aquilo que era antes comum continua em vigor. E, em virtude dela, qualquer peixe que alguém pesque no oceano, esse grande bem comum ainda remanescente da humanidade, (…) é transformado em propriedade daquele que para tal dedicou seus esforços. (LOCKE, John. Segundo Tratado sobre o Governo)
Enquanto os homens se contentaram com as suas cabanas rústicas, enquanto se limitaram a coser suas roupas de peles com espinhos ou arestas de pau, a se enfeitarem com plumas e conchas, a pintar o corpo de diversas cores (…); em uma palavra, enquanto se aplicaram exclusivamente a obras que um só podia fazer, e a artes que não necessitavam o concurso de muitas mãos, viveram livres, sãos, bons e felizes ,tanto quanto podiam ser pela sua natureza, e continuaram a gozar entre si das doçuras de uma convivência independente. Mas, desde o instante que um homem teve necessidade do socorro de outro; desde que perceberam que era útil a um só ter provisões para dois, a igualdade desapareceu, a propriedade se introduziu, o trabalho tornou-se necessário e as vastas florestas se transformaram em campos risonhos que foi preciso regar com o suor dos homens, e nos quais, em breve, se viram germinar a escravidão e a miséria, a crescer com as colheitas. (ROUSSEAU, Jean-Jacques. Discurso sobre a Desigualdade entre os Homens)
Os trechos acima, de John Locke (1632-1704) e de Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), foram retirados de livros muito influentes no Ocidente. A respeito das ideias contidas nos textos, podemos dizer que
A  abordam o mesmo tema, chegando a conclusões similares sobre o conceito de “propriedade”.
B contribuíram para a formulação de duas teorias sociais e políticas opostas: o liberalismo e o socialismo.
C repudiam, por meio de argumentos consistentes, a necessidade da propriedade privada.
D defendem, por meio de argumentos consistentes, a necessidade da propriedade privada.
E apontam para a necessidade de preservar as culturas tradicionais, como a cultura indígena.
QUESTÃO 16
Para uns, a Idade Média foi uma época de trevas, pestes, fome, guerras sanguinárias, superstições, crueldade. Para outros, uma época de bons cavaleiros, damas corteses, fadas, guerras honradas, torneios, grandes ideais. Ou seja, uma Idade Média “má” e uma Idade Média “boa”. Tal disparidade de apreciações com relação a esse período da História se deve
A ao Renascimento, que começou a valorizar a comprovação documental do passado, formando acervos documentais que mostram tanto a realidade “boa” quanto a “má”.
B à tradição iluminista, que usou a Idade Média como contraponto a seus valores racionalistas, e ao Romantismo, que pretendia ressaltar as “boas” origens das nações.
C à indústria de videojogos e cinema, que encontrou uma fonte de inspiração nessa mistura de fantasia e realidade, construindo uma visão falseada do real.
D ao Positivismo, que realçou os aspectos positivos da Idade Média, e ao marxismo, que denunciou o lado negativo do modo de produção feudal.
E à religião, que com sua visão dualista e maniqueísta do mundo alimentou tais interpretações sobre a Idade Média.
QUESTÃO 17
O príncipe, portanto, não deve se incomodar com a reputação de cruel, se seu propósito é manter o povo unido e leal. De fato, com uns poucos exemplos duros poderá ser mais clemente do que outros que, por muita piedade, permitem os distúrbios que levem ao assassínio e ao roubo. (MAQUIAVEL, N. O Príncipe)
No século XVI, Maquiavel escreveu O Príncipe, reflexão sobre a Monarquia e a função do governante.
A manutenção da ordem social, segundo esse autor, baseava-se na
A inércia do julgamento de crimes polêmicos.
B bondade em relação ao comportamento dos mercenários.
C compaixão quanto à condenação de transgressões religiosas.
D neutralidade diante da condenação dos servos.
E conveniência entre o poder tirânico e a moral do príncipe.
QUESTÃO 18
Não é necessário a um príncipe ter todas as qualidades mencionadas, mas é indispensável que pareça tê-las. Direi, até, que, se as possuir, o uso constante deles resultará em detrimento seu, e que ao contrário, se não as possuir, mas afetar possuí-las, colherá benefícios. Daí a conveniência de parecer clemente, leal, humano, religioso, íntegro e, ainda de ser tudo isso, contanto que, em caso de necessidade, saiba tornar-se o inverso… Por isso, é mister que ele tenha um espírito pronto a se adaptar às variações das circunstâncias e da fortuna e, como disse antes, a manter-se tanto quanto possível no caminho do bem, mas pronto igualmente a enveredar pelo do mal, quando for necessário. (MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe)
No trecho acima, escrito no século XVI, o autor refere-se à atitude que um príncipe deve tomar em relação à escolha entre o bem e o mal. O texto
A defende a separação entre a moral política e a moral religiosa.
B evidencia que os príncipes devem apenas pensar em aumentar sua riqueza.
C afirma que é necessário que o príncipe sempre seja clemente, leal, humano, religioso e íntegro.
D indica a importância de agir religiosamente, ainda que as circunstâncias tornem esse caminho difícil.
E demonstra a necessidade da educação moral na formação do governante.
QUESTÃO 19
O Marquês de Pombal, ministro do rei Dom José I, considerava os jesuítas como inimigos, também porque, no Brasil, eles catequizavam os índios em aldeamentos autônomos, empregando a assim chamada língua geral. Em 1755, Dom José I aboliu a escravidão do índio no Brasil, o que modificou os aldeamentos e enfraqueceu os jesuítas.
Em 1863, Abraham Lincoln, o presidente dos Estados Unidos, aboliu a escravidão em todas as regiões do Sul daquele país que ainda estavam militarmente rebeladas contra a União em decorrência da Guerra de Secessão. Com esse ato, ele enfraqueceu a causa do Sul, de base agrária, favorável à manutenção da escravidão. A abolição final da escravatura ocorreu em 1865, nos Estados Unidos, e em 1888 no Brasil.
Nos dois casos de abolição de escravatura, observam-se motivações semelhantes, tais como
A razões estratégicas de chefes de Estado interessados em prejudicar adversários, para afirmar sua atuação política.
B fatores culturais comuns aos jesuítas e aos rebeldes do Sul, contrários ao estabelecimento de um governo central.
C cumprimento de promessas humanitárias de liberdade e igualdade feitas pelos citados chefes de Estado.
D eliminação do uso de línguas diferentes do idioma oficial reconhecido pelo Estado.
E resistência à influência da religião católica, comum aos jesuítas e aos rebeldes do sul.
QUESTÃO 20
Ato Institucional no. 5 de 13 de dezembro de 1968
Art. 10 – Fica suspensa a garantia de habeas corpus, nos casos de crimes políticos, contra a segurança nacional, a ordem econômica e social e a economia popular.
Art. 11 – Excluem-se de qualquer apreciação judicial todos os atos praticados de acordo com este Ato Institucional e seus Atos Complementares, bem como os respectivos efeitos.
O Ato Institucional no. 5 é considerado por muitos autores como um “golpe dentro do golpe”. Nos artigos do AI-5 selecionados, o governo militar procurou limitar a atuação do Poder Judiciário, porque isso significava
A a substituição da Constituição de 1967.
B o início do processo de distensão política.
C a garantia legal para o autoritarismo dos juízes.
D a ampliação dos poderes nas mãos do Executivo.
E a revogação dos instrumentos jurídicos implantados durante o golpe de 1964.
QUESTÃO 21
Judiciário contribuiu com ditadura no Chile, diz Juiz Guzmán Tapia
As cortes de apelação rejeitaram mais de 10 mil habeas corpus nos casos das pessoas desaparecidas. Nos tribunais militares, todas as causas foram concluídas com suspensões temporárias ou definitivas, e os desaparecimentos políticos tiveram apenas trâmite formal na Justiça. Assim, o Poder Judiciário contribuiu para que os agentes estatais ficassem impunes. (Disponível em: http://www.cartamaior.com.br.Acesso em: 20 jul. 2010)

Segundo o texto, durante a ditadura chilena na década de1970, a relação entre os poderes Executivo e Judiciário caracterizava-se pela
A preservação da autonomia institucional entre os poderes.
B valorização da atuação independente de alguns juízes.
C manutenção da interferência jurídica nos atos executivos.
D transferência das funções dos juízes para o chefe de Estado.
E subordinação do poder judiciário aos interesses políticos dominantes
 
QUESTÃO 22
Em 4 de julho de 1776, as treze colônias que vieram inicialmente a constituir os Estados Unidos da América (EUA) declaravam sua independência e justificavam a ruptura do Pacto Colonial. Em palavras profundamente subversivas para a época, afirmavam a igualdade dos homens e apregoavam como seus direitos inalienáveis: o direito à vida, à liberdade e à busca da felicidade. Afirmavam que o poder dos governantes, aos quais cabia
a defesa daqueles direitos, derivava dos governados. Esses conceitos revolucionários que ecoavam o Iluminismo foram retomados com maior vigor e amplitude treze anos mais tarde, em 1789, na França. (Emília Viotti da Costa)
Considerando o texto acima, acerca da independência dos EUA e da Revolução Francesa, assinale a opção correta.
A A independência dos EUA e a Revolução Francesa integravam o mesmo contexto histórico, mas se baseavam em princípios e ideais opostos.
B O processo revolucionário francês identificou-se com o movimento de independência norte-americana no apoio ao absolutismo esclarecido.
C Tanto nos EUA quanto na França, as teses iluministas sustentavam a luta pelo reconhecimento dos direitos considerados essenciais à dignidade humana.
D Por ter sido pioneira, a Revolução Francesa exerceu forte influência no desencadeamento da independência norte-americana.
E Ao romper o Pacto Colonial, a Revolução Francesa abriu o caminho para as independências das colônias ibéricas situadas na América.
QUESTÃO 23
Na década de 30 do século XIX, Tocqueville escreveu as seguintes linhas a respeito da moralidade nos EUA:
“A opinião pública norte-americana é particularmente dura com a falta de moral, pois esta desvia a atenção frente à busca do bem-estar e prejudica a harmonia doméstica, que é tão essencial ao sucesso dos negócios. Nesse sentido, pode-se dizer que ser casto é uma questão de honra”.
(TOCQUEVILLE, A. Democracy in America)
Do trecho, infere-se que, para Tocqueville, os norte-americanos do seu tempo
A buscavam o êxito, descurando as virtudes cívicas.
B tinham na vida moral uma garantia de enriquecimento rápido.
C valorizavam um conceito de honra dissociado do comportamento ético.
D relacionavam a conduta moral dos indivíduos com o progresso econômico.
E acreditavam que o comportamento casto perturbava a harmonia doméstica.
QUESTÃO 24
Na democracia estadunidense, os cidadãos são incluídos na sociedade pelo exercício pleno dos direitos políticos e também pela ideia geral de direito de propriedade. Compete ao governo garantir que esse direito não seja violado. Como consequência, mesmo aqueles que possuem uma pequena propriedade sentem-se cidadãos de pleno direito.
Na tradição política dos EUA, uma forma de incluir socialmente os cidadãos é
A submeter o indivíduo à proteção do governo.
B hierarquizar os indivíduos segundo suas posses.
C estimular a formação de propriedades comunais.
D vincular democracia e possibilidades econômicas individuais.
E defender a obrigação de que todos os indivíduos tenham propriedades.
 
QUESTÃO 25
Democracia: “regime político no qual a soberania é exercida pelo povo, pertence ao conjunto dos cidadãos.” (JAPIASSÚ, H.; MARCONDES, D. Dicionário Básico de Filosofia)
Uma suposta “vacina” contra o despotismo, em um contexto democrático, tem por objetivo
A impedir a contratação de familiares para o serviço público.
B reduzir a ação das instituições constitucionais.
C combater a distribuição equilibrada de poder.
D evitar a escolha de governantes autoritários.
E restringir a atuação do Parlamento
QUESTÃO 26
Este é o maior perigo que hoje ameaça a civilização: a estatificação da vida, o intervencionismo do Estado, a absorção de toda espontaneidade social pelo Estado; isto é, a anulação da espontaneidade histórica, que definitivamente sustenta, nutre e empurra os destinos humanos. (ORTEGA Y GASSET, José. A Rebelião das Massas)
Em A Rebelião das Massas, o filósofo espanhol Ortega y Gasset apresenta uma crítica da cultura social e política do século XX. A partir do trecho selecionado, é possível afirmar que Ortega y Gasset
A defende que a anulação da espontaneidade histórica é a solução para o maior perigo que hoje ameaça a civilização.
B critica a espontaneidade histórica, que pretende injustificadamente sustentar, nutrir e empurrar os destinos humanos.
C propõe que o maior perigo à civilização é o abandono dos esforços de estatificação da vida, do intervencionismo do Estado e da absorção de toda espontaneidade social pelo Estado.
D defende uma concepção socialista de sociedade.
E defende uma concepção liberal de sociedade.
QUESTÃO 27
A primeira metade do século XX foi marcada por conflitos e processos que a inscreveram como um dos mais violentos períodos da história humana.
Entre os principais fatores que estiveram na origem dos conflitos ocorridos durante a primeira metade do século XX estão
A a crise do colonialismo, a ascensão do nacionalismo e do totalitarismo.
B o enfraquecimento do império britânico, a Grande Depressão e a corrida nuclear.
C o declínio britânico, o fracasso da Liga das Nações e a Revolução Cubana.
D a corrida armamentista, o terceiro-mundismo e o expansionismo soviético.
E a Revolução Bolchevique, o imperialismo e a unificação da Alemanha.
QUESTÃO 28
Os regimes totalitários da primeira metade do século XX apoiaram-se fortemente na mobilização da juventude em torno da defesa de ideias grandiosas para o futuro da nação. Nesses projetos, os jovens deveriam entender que só havia uma pessoa digna de ser amada e obedecida, que era o líder. Tais movimentos sociais juvenis contribuíram para a implantação e a sustentação do nazismo, na Alemanha, e do fascismo, na Itália, Espanha e Portugal.
A atuação desses movimentos juvenis caracterizava-se
A pelo sectarismo e pela forma violenta e radical com que enfrentavam os opositores ao regime.
B pelas propostas de conscientização da população acerca dos seus direitos como cidadãos.
C pela promoção de um modo de vida saudável, que mostrava os jovens como exemplos a seguir.
D pelo diálogo, ao organizar debates que opunham jovens idealistas e velhas lideranças conservadoras.
E pelos métodos políticos populistas e pela organização de comícios multitudinários.
QUESTÃO 29
Ocorreu-me (…) de falar de “utopia invertida”, após ter constatado que uma grandiosa utopia igualitária, a comunista, acalentada por séculos, traduziu-se em seu contrário na primeira tentativa histórica de realizá-la. Nenhuma das cidades ideais descritas pelos filósofos foi proposta como modelo a ser colocado em prática. Platão sabia que a república ideal, da qual havia falado com seus amigos e discípulos, não estava destinada a existir em algum lugar, mas apenas era verdadeira, como Glauco diz a Sócrates, “em nossos discursos”. No entanto, na primeira vez em que uma utopia igualitária entrou na história, passando do reino dos “discursos” para o reino das coisas, acabou por se transformar em seu contrário. (BOBBIO, Norberto. Direita e esquerda)
“Utopia” significa, em grego, “não-lugar”, “lugar inexistente”. Ao discorrer sobre a utopia, Norberto Bobbio enfatiza
A a contradição entre a utopia igualitária e o regime político comunista soviético.
B o regime político soviético como modelo para as utopias igualitaristas da história antiga.
C a oposição entre a utopia igualitária e a República de Platão.
D o socialismo utópico realizado na Antiguidade por Platão.
E a perfeita realização da utopia igualitária na história por meio do regime comunista soviético.
QUESTÃO 30
“Nossa discussão será adequada se tiver tanta clareza quanto comporta o assunto, pois não se deve exigir a precisão em todos os raciocínios por igual, assim como não se deve buscá-la nos produtos de todas as artes mecânicas. Ora, as ações belas e justas, que a ciência política investiga, admitem grande variedade e flutuações de opinião, de forma que se pode considerá-las como existindo por convenção apenas, e não por natureza. E em torno dos bens há uma flutuação semelhante, pelo fato de serem prejudiciais a muitos: houve, por exemplo, quem perecesse devido à sua riqueza, e outros por causa da sua coragem. Ao tratar, pois, de tais assuntos, e partindo de tais premissas, devemos contentar-nos em indicar a verdade aproximadamente e em linhas gerais; e ao falar de coisas que são verdadeiras apenas em sua maior parte e com base em premissas da mesma espécie, só poderemos tirar conclusões da mesma natureza. E é dentro do mesmo espírito que cada proposição deverá ser recebida, pois é próprio do homem culto buscar a precisão, em cada gênero de coisas, apenas na medida em que o admita a natureza do assunto.” (Aristóteles. Ética a Nicômaco)
No texto acima, o filósofo Aristóteles explica que
A o método da ciência política é dialético, isto é, parte de opiniões comuns aceitas pela maioria ou pelos sábios.
B não há resposta objetiva em questões morais.
C a finalidade da ética e da ciência política é a ação, não a verdade.
D é necessário buscar a verdade absoluta ao resolver problemas morais.
E a teoria política possui um método tão exato quanto o da matemática.
Gabarito das questões do ENEM de 2015 = 1-C; 2-C; 3-A; 4-C; 5-C; 6-D; 7-E; 8-A. 


Pessoal aí está o gabarito das 30 questões Filosofia para ENEM. Bom estudo!
1. A
2. D
3. A
4. B
5. D
6. E
7. D
8. D
9. E
10. A
11. B
12. E
13. B
14. E
15. B
16. B
17. E
18. A
19. A
20. D
21. E
22. C
23. D
24. D
25. D
26. E
27. A
28. A
29. A
30. B





0 comentários:

Postar um comentário

 
Liceu Filosofia © 2015 | Desenvolvido por David Edson